De como a morsa comeu o remador

Da pedra do mar
A morsa observa
O marujo a remar
O barco sem vela

Saltando ao mar
Banha a flutuar
Ruma a morsa
Ao barco, afundar

Pobre marinheiro
Triste sina, a sua
Com o barco a guiar
Da morsa se salvar

“Morsa infame e faminta
Mãe maldita a teria”
Bravo marinheiro cansado
À morsa ter esbravejado

Amaldiçoado sois, marinheiro
Pois ao barco a morsa alcançou
Morsa feliz, marinheiro comido
E o barco soçobrou

continua em:
De como o marujo, usando um clipe de papel e uma escova de dentes, abriu caminho pelo buxo da morsa para a sua liberdade

Essa é antiga, uma das primeiras, provavelmente de 2006. Não gosto muito dela, pois é possível notar toda falta de cuidado e inexperiência do pretencioso jovem poeta. De qualquer modo, chega a ser divertida, e registro-a aqui por questões históricas e atendendo a pedidos.

Tags: ,

2 Responses to “De como a morsa comeu o remador”

  1. ModaFocka Says:

    Essa poesia é muito melhor do que a outra, em todos os sentidos, inclusive no técnico.

    Mas eu achei uma detalhe muito utópico nisso aí. Pq um marinheiro usaria um clips de papel? Agora de resto todos os fatos são completamente plausíveis. Diz aí, é ou não é Otávio??? hauahauhauah!!!

  2. Fynn Says:

    Não entendo de técnica mesmo então no quisito loucura e criatividade ficou bom, mas o marujo podia sair com um clipe e uma escova de dentes. =]

    Marinheiro, marinheiro… Que dia vamos navegar?

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: